:D

4 comentários
Ontem foi o dia da Dany. E o dia do seu grande blog. E digo grande porque ele suporta todos os textos, dos grandes e dos novatos autores, dos grandes livros e das pequenas crônicas. Porque estourar em palavras é simples, é complexo, é sentimento e razão.
Em apenas um ano foram dezenas de publicações a deixar os seus momentos mais felizes, com mais sentimentos, com mais reflexão. Fazer amigos? Sim, porque não? O blog não serve só para publicações de textos. Ter um blog vai muito além disso. É uma experiência inesplicável.
O estouro não funciona em grupo. Ele funciona em equipe.
E fez um ano.
Parabéns ao Estouro em Palavras.
Mas principalmente, parabéns a você por acrescentar a doce medida de seus detalhes à minha essência.

Para você que sempre lê.
Para você que algumas vezes lê.
Para você que está aqui pela primeira vez.
E para toda a equipe do Estouro.

Soneto de aniversário

1 comentário
"Passem-se dias, horas, meses, anos
Amadureçam as ilusões da vida
Prossiga ela sempre dividida
Entre compensações e desenganos.
.
Faça-se a carne mais envilecida
Diminuam os bens, cresçam os danos
Vença o ideal de andar caminhos planos
Melhor que levar tudo de vencida.
.
Queira-se antes ventura que aventura
À medida que a têmpora embranquece
E fica tenra a fibra que era dura.
.
E eu te direi: amiga minha, esquece...
Que grande é este amor meu de criatura
Que vê envelhecer e não envelhece."
.
Hoje o Estouro em Palavras completa um ano. Parabéns pra ele, pra equipe do blog e pras nossas leitoras queridas!!
Que esse seja o primeiro de muitos anos juntas!

00:00

1 comentário
Queria poder encher a boca para dizer: eu te odeio. Detestar absolutamente tudo em você, desde a sua altura imensa, suas mãos charmosas, à sua sinceridade de gentil boa praça. Sua leveza de viver, tão incompatível à minha densidade ferrenha. Impedir que nada mais mexa comigo e meu humor, como algum dia acelerou o peito, me fez suar as mãos e sorrir feito uma figura dopada; irracional. Abominar a sua preocupação com a minha pessoa - mesmo não sendo mais próximo, e sim exilado da minha convivência. Por mim, essa ditadora inábil. As artimanhas infantis que ainda arquiteta pra saber sobre o que ando fazendo, minhas mudanças físicas, meu estado de espírito. E é um ódio que não chega. Não me vem nunca. Pombo correio desgovernado, celular desligado, chuva.

Mesmo enumerando algumas razões descabidas para que eu consiga by myself, inserir desprezo, na imensidão de sentimentos que ainda existe aqui, anda impossível. Se eu me arrependi? Como sempre. Sei que conviver com a minha personalidade forte é algo complicado. Incompreensível. Enlouqueço, e então, quando me toco do tamanho do transtorno que causei, já foi. Passionalidade no sangue, e essa urgência em viver, impressa na alma. Agora, completamente opostos que somos, tento não pensar em você nenhuma vez ao dia, não querer morrer quando leio o seu nome pichado em algum muro, e segurar as lágrimas quando passa qualquer com outro homem com o seu perfume, que eu amo. Simplesmente não aguento mais ver horas iguais, e nada de diferente acontecer na minha vida. Não era para alguém estar pensando em mim? Quem é que pensa tanto, e não age nunca? Deixe o medo de lado, minha loucura não te atinge. Venha, ligue. Se arrependa você também, para que eu me sinta menos sozinha e confusa, menos reprimida, até normal.
.
Não tem sido fácil. As pessoas se cansam de mim sofrível assim, dessa minha angústia quilométrica, e que vai, volta, se alterna entre a felicidade imensa de quando você retorna; infelicidade ferina quando se esvai, livre. Ninguém me entende por completo. Dizem todos: "sai dessa fossa, vamos curtir a noite, celebrar a vida." Mas a verdade é que não estou pronta. Ou ainda não consigo dançar até o chão, rebolar com provocação, beber e esquecer que você existe. Travo. Sabendo que não terá regresso, me culpo um pouco, te penso tanto. Colocar linha na agulha e fechar o ponto, dar o nó para que feche. Se ao menos eu renegasse o seu gosto musical com gosto, e enjoasse do seu sotaque acertado, facilitaria. Antipatizasse com essa sua felicidade matinal, e o jeito estranho com que faz torradas, no café da manhã. Execrasse o seu dilema de vida, a sua inconstância que me fazia surtar. Fico então lembrando que teu silêncio era conivente ao meu, sentada ao teu lado enquanto dirigias, ou assistia a qualquer filme meia-boca; primeira dama de um reino inexistente, que nunca fui coroada.
.
Que eu consiga seguir em frente, sem esperar pela tua mão no meu ombro, por você em esquina qualquer. Ou veja com maior claridade que o que é melhor pra nós dois, seria fugir dessas faíscas, fagulhas e centelhas que vibram, quando juntos. Mas que não aquecem suficientemente, quando separados. Por enquanto, apenas eu e essa falta sufocante, que aperta e fere, machuca e tira a paz - quase minha sombra, acompanhando até mesmo em momentos de privacidade, e invadindo pensamentos, falas e uma rotina inteira. Que eu consiga olhar para os seus defeitos com mais realidade, e menos enfeites. Que se for ainda tempo, ou ainda houver salvação, você também veja que errados estamos os dois, e olhar nos olhos pode ser uma solução. Porque me resumo entre cansada de plantar uma amargura que não quero, e não vejo nenhuma outra alternativa a não ser te querer de volta, sempre. Semente que não brota, raiz que não pega, trem que descarrilha. Virar de costas sem olhar pra trás tem sido árduo, torturante. Corpo no chão, cansaço vil, folhas e folhas em branco. Me rendo. Quando será que tudo vai voltar a fazer algum sentido?

PROMOÇÃO DE ANIVERSÁRIO!

1 comentário
E aí, galerinha do bem....

É com muito prazer que eu, Joyci, em nome da Equipe do Estouro em Palavras (@estourando) venho comunicá-los da promoção de aniversário do nosso "filhote", pois é... Não parece, mas em exatos 20 dias nosso blog completa um ano de vida e quem ganha com isso são os leitores.A promoção é a seguinte, vocês leitores tem até o dia 26 de setembro (dia do aniversário do Estouro) para completar 100 seguidores no blog e no twitter, como isso? Divulgação. E agora vocês me dizem: "Mas, você disse que nós sairíamos lucrando", pois é, eu disse. Se até o dia do nosso aniversário de um ano, estiver completo os 100 seguidores (deixo claro, aqui neste blog e no twitter também) nós vamos sortear um livro pra um desses seguidores. Nós ainda não escolhemos o livro que será sorteado, portanto você ainda tem a oportunidade de enviar uma sugestão do livro que você pode vir a ganhar, é só deixar nos comentários deste post.

Então vamos lá? Boa sorte a todos, contamos com vocês!

Dilacera, mas passa

2 comentários
Chorei. Assim como vinha deixando que o berreiro se fizesse vivo, dei início à sessão das lágrimas na lotação, ao olhar a chuva que caía na janela, e a tarde de sentimentos estranhos e intrínsecos. Bem verdade que vinha me emocionando com facilidade, e sem motivo aparente. Com reportagens banais, e músicas melancólicas. Nos livros que tenho lido, e no escuro, sozinha e imersa na minha tristeza que nem ao menos consigo compreender. Com soluços. Sem pausas. Extirpando toda essa dor que vem, e não passa, e quando vira felicidade, de tão aguda, se torna insuportável. Quase um sentimento hemofílico, que não estabiliza nunca: quando começa a cicatrizar, não processa bem; é ferida aberta, cutucada.

Mais uma vez, solitária no mundo, sentada sem vista pra rua, com essa incompreensão no peito e uma angústia que não desgruda de vez. Enquanto todos me dizem que preciso ser forte, que o silêncio é arma, a indiferença é o que mata, e viver é preciso, meu único pensamento é em comprar passagens aéreas e sumir pelo mundo. Deliberar sem mais recados, fugir de toda essa loucura que acomete as pessoas, o medo nojento que os outros têm de dar amor, e receber também em troca. O amor é essa ciranda onde todos rodeiam, e cantam, exibem sorrisos e feições de satisfação, em que eu me encontro excluída, sentada num canto, de braços cruzados e cara amarrada. Ninguém me convida, e fico apenas atenta, observando os casais que se completam, a vida que se move, e os beijos que não dou, as juras eternas que não escuto. Fujo algumas vezes, tapo os olhos em outras, mas a roda incessante e desgovernada apenas brinca de bobinho comigo e minha esperança em ser chamada; garotinha tola que quer se divertir um pouco, e não sabe entrar - apenas pedir, pedir e pedir, nunca penetrando de vez. Se deixando iludir por cartas, e signos, mensagens inoportunas, sinais divinos, que na verdade dizem nada e fantasiam qualquer dúvida posta em questão.

Fica difícil assim me focar em mim de imediato, em tudo que sinto, em curar a cada dia toda essa peste que me tomou o alma, e embeveceu a vivacidade que eu carreguei, até aqui: só se vê os defeitos, aquilo que precisa ser melhorado, e expectativas tão longínquas, que não satisfazem, e sim, enlouquecem. Só quando sozinha é que me deixo ficar meio down, e coloco o dedo na ferida. Escuto músicas sofríveis, e leio melancolias. Dói, mas passa. E esse desespero de me verem assim na fossa, mal à beça? Calma, que preciso escancarar essa dor até o final, que ela é só minha, e libertar o peito, a alma, o cuore. Tirar talvez um ódio de onde não consigo, e de quem não tenho, mesmo que passageiro, para que eu sobreponha no local onde ainda há quase tudo o que sinto, e que precisa ser esvaziado, pouco a pouco. Sair desse poço, largar de vez o osso, desses restos que não alimentam, e sim, atrofiam o que de belo existia, e se queria profundamente. Porque ainda é setembro, e toda uma primavera virá, até que se torne verão novamente. Terá passado tanto tempo, que as respostas chegarão sem medo e nem culpa, e voltarei a ser inteira como fui até certo tempo. Sem voltas comemoradas, e inexplicáveis. Sem apagar do caderno, mas riscar por cima o nome; ter astúcia suficiente de virar mais essa página pesarosa Sem mais chances, que depois da segunda, a terceira não tem argumentos para vingar. É topando em pedras, que vislumbramos com mais atenção as flores que nascem, as gotas de orvalho da grama, a raiz de tudo. Desde os sentimentos mais profundos, profanos, ao mundo."